Uma prosa com um coronel defensor dos direitos humanos

Passar um pedaço da tarde almoçando e conversando com gente inteligente e que está de fato preocupada em melhorar a segurança dos cidadãos em todo o Brasil é um privilégio para poucos neste País.

Pois foi isso que este blogueiro fez nesta terça-feira. Uma pequena prosa, que rende milhares de pautas para a imprensa, num restaurante que tem uma das vistas mais privilegiadas deste mundo: a vista para o Convento da Penha, em Vila Velha.

Ali, na Praça do Papa, que a Prefeitura de Vitória e o governo do Estado estão transformando num dos mais belos cartões postais do Espírito Santo, conversar sobre coisa séria – que é a segurança da população – só faz aumentar o apetite em desejar dias melhores para os capixabas.

Sentar numa mesa olhando o Convento da Penha, a Terceira Ponte e o quartel do 38° Batalhão de Infantaria do Exército, por si só, já seria prazeroso. Sentar ao lado do doutor em Ciências Sociais Jorge da Silva, coronel da reserva da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, é mais prazeroso ainda.

Autor de seis livros, o coronel Jorge da Silva, como eu acredito que ele prefere ser chamado, é negro. Nem por isso ele se sente discriminado, pois sempre lutou para que seus sonhos se concretizassem. E se concretizaram. O doutor Jorge da Silva é um dos estudiosos em Polícia mais respeitados do mundo na atualidade. Suas obras literárias abordam, fundamentalmente, a questão da discriminação social e racial, com foco também voltado para a segurança.

No seu último livro, o coronel Jorge da Silva fala sobre a escravidão negra no Brasil. Lembra fato que nossos professores de História nunca nos ensinaram. Talvez por desconhecimento – a hipótese mais provável – ou por culpa da burguesia, muito representada em todos os governos federais, desde os tempos do Império até os dias de hoje na Nova República.

Um fato contado pelo escritor Jorge da Silva deixou os ouvintes, em torno de nossa mesa, de cabelos arrepiados. Diz o doutor, coronel e professor Jorge da Silva que o artigo que instituiu a Lei do Ventre Livre é digno de ironia.

O artigo único da lei diz que os filhos de escravas nascidos a partir da promulgação desta lei são livres. Logo abaixo, porém, o parágrafo único do artigo diz que os filhos de escravas nascidas a partir da promulgação desta lei pertencem aos donos da fazenda até completar oito anos de idade. Mais adiante, no mesmo parágrafo único, o texto da Lei do Ventre Livre prossegue: os filhos de escravas nascidos a partir da promulgação desta lei que têm de oito a 21 anos de idade têm que ficar trabalhando na fazenda dos senhores de engenho para pagar os custos dos fazendeiros. Seria cômico senão fosse trágico, não é mesmo?

O coronel Jorge da Silva é, atualmente, coordenador de estudos e pesquisas em Ordem Pública, Polícia e Direitos Humanos, e pesquisador convidado do Núcleo Fluminense de Estudos e Pesquisas (Nufep) da Universidade Federal Fluminense.

Na vida pública, além dos altos cargos na Polícia Militar do Rio, como os de subsecretário de Estado e chefe do Estado Maior Geral, foi coordenador setorial de Segurança, Justiça, Defesa Civil e Cidadania do Governo do Estado (2000 - 2002), presidente do Instituto de Segurança Pública/ISP (2003) e, posteriormente, corregedor (interino) da Corregedoria Geral Unificada das Polícias Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros, e secretário de Estado de Direitos Humanos (2003 - 2006).

Ele é um cidadão que chegou a um dos postos mais altos da PM fluminense sendo um autêntico defensor dos direitos humanos desde o início da carreira de oficial.

O coronel Jorge da Silva defende, também, a Polícia Comunitária, que nasceu aqui no Espírito Santo com o nome de Polícia Interativa. Graças aos deuses são os mesmos oficiais que lutaram e sofreram muito para manter os dogmas e filosofia da Polícia Interativa que hoje estão chegando ao Alto Comando da Polícia Militar capixaba. Sinal de que bons tempos podem estar chegando.

Todo esse prefácio para mostrar o que de fato o coronel Jorge da Silva defende como modelo para ajudar a melhorar o combate à violência no País. Segundo ele, é falsa a premissa de que a sociedade brasileira seja homogênea. O coronel entende que as autoridades brasileiras acabam tendo que escolher sobre que setores da sociedade a polícia deve atender.

“A escolha de nossa polícia é de estar entre os grupos com maior poder e com voz na sociedade ou as camadas mais populares, que reclamam da repressão e clamam por direitos humanos. Por isso, é comum a polícia reprimir os habitantes de áreas pobres e proteger quem mora em áreas ricas”, diz o coronel Jorge da Silva.

Bem, o almoço acabou. Veio o cafezinho e, depois, “pintou” um quindim. O restante da prosa com o coronel Jorge da Silva vem em outro artigo, em que ele dá uma verdadeira aula de segurança pública.

O homem é fera!!!
 

Blog do Elimar Côrtes Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger