Mais uma vitória da sociedade contra a violência: Senado reforça aplicação da Lei Maria da Penha

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (27/04), em caráter terminativo, o Projeto de Lei 49/11, que estabelece o fim da suspensão condicional do processo em casos de violência doméstica contra a mulher.

Caso a matéria seja confirmada na Câmara, o inquérito contra agressores continuará tramitando na Justiça mesmo que a vítima desista da acusação.

A proposta explicita na Lei dos Juizados Especiais (Lei nº 9.099/95) uma previsão que já existe na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06), mas que não vinha sendo aplicada por juízes nos últimos anos.

A suspensão condicional de processo - ou sursis processual - pode ser proposta em crime com pena mínima de até um ano, quando o acusado não tenha praticado outro crime e atenda requisitos previstos no artigo 7º do Código Penal.

Por conta de decisões recentes do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que aplicou a Lei dos Juizados Especiais em crimes de violência doméstica, a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR) decidiu apresentar o projeto.

"Crimes de violência doméstica não podem ser considerados de menor potencial ofensivo. Infelizmente, a Lei Maria da Penha começou a ser 'aguada' por juízes", disse a relatora da matéria na CCJ, senadora Marta Suplicy (PT-SP).

Como foi aprovada em caráter terminativo, a proposta não vai passar pelo plenário do Senado, indo diretamente para a Câmara. Os senadores também aprovaram emenda apresentada pela relatora, que acrescenta à Lei dos Juizados Especiais outra previsão da Maria da Penha: a abertura de processo contra acusado de violência doméstica pode ocorrer sem a representação da vítima, podendo ser motivada pelo Ministério Público.

"A lei é uma grande conquista das mulheres. A emenda é um complemento para que juízes machistas não interpretem a lei de acordo com seu machismo", disparou a petista.

Aprovada de forma unânime, a matéria rendeu elogios de outros parlamentares. "É um projeto extraordinário, corrige duas distorções feitas pelo poder Judiciário e volta ao espírito da Lei Maria da Penha", afirmou o senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

Já o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), também favorável à matéria, lamentou o fato de o Senado ter de elaborar outro projeto tratando do mesmo tema.

"Dá um desânimo ter que escrever a mesma coisa duas vezes", reclamou, ressaltando as mudanças de interpretação feitas por integrantes do Judiciário.

Mais um aprendizado para juízes machistas. Jamais podem existir argumentos para justificar uma violência.

Antigamente, a Justiça brasileira costumava absolver maridos assassinos que alegavam ter matado as esposas em legítima defesa da honra. Este argumento, doutores, não vale mais. Pelo menos em nossa sociedade!
 

Blog do Elimar Côrtes Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger