Os bastidores da operação policial que colocou na cadeia a mulher que manda nas unidades de internação de menores infratores há quase 10 anos


A Polícia Civil do Espírito Santo começou a cumprir nesta sexta-feira (17/08) o desfecho de uma investigação que durou oito meses com a prisão de pelo menos 13 pessoas – entre dirigentes de autarquia do Estado, advogados, servidores públicos e empresários – acusadas de envolvimento num esquema de corrupção que teria desviado milhões de reais, dinheiro este que deveria ser usado na ressocialização de adolescentes em conflito com a lei.


O desfecho desta sexta-feira já havia sido noticiado com exclusividade pelo Blog do Elimar Côrtes, em postagem no dia 29 de fevereiro deste ano, quando foi divulgado que o governador Renato Casagrande havia criado uma força tarefa, formada pela Polícia Civil e Ministério Público Estadual, para investigar denúncias de corrupção e tortura nas unidades de internação gerenciadas pelo Instituto de Atendimento Sócio Educativo do Espírito Santo (Iases), que é uma autarquia da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus).

Em 4 de outubro do ano passado, o secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, Henrique Herkenhoff, criou a Portaria número 230-S, em que nomeou “o delegado adjunto da Delegacia de Crimes contra a Vida da Serra, Rodolfo Queiroz Laterza, para presidir os trabalhos da Polícia Judiciária junto a Força Tarefa para investigar denúncias de violação dos direitos humanos junto ao Iases”.

O delegado Rodolfo Laterza, que é um profissional competente, entrou em ação com sua equipe em janeiro deste ano, quando o secretário Herkenhoff garantiu toda estrutura e autonomia para ele trabalhar, em um prédio no Centro de Vitória, bem próximo do edifício Portugal, onde fica a sede administrativa do Iases.

A equipe do delegado Rodolfo, com apoio de outras unidades da Polícia Civil, realizou busca e apreensão na sede do Iases, apreendendo diversos documentos e computadores. A Polícia Civil agiu graças a mandados de prisão e apreensão expedidos pelo juiz Marcelo Loureiro, da Vara de Central de Inquéritos Criminais, que determinou pela ação policial após analisar relatório elaborado pelo delegado Rodolfo Laterza.

"A Operação Pixote, como denominamos esta ação, mostou uma monilização inédita dentro da Polícia Civil", agradeceu o delegado Rodolfo Laterza, que contou com apoio de delegados e policiais da Delegacia de Tóxicos (Deten), Divisão de Homicíos e Proteção à Pessoa, Nuroc, Delegacia dos Adolescentes em Conflito com a Lei (Decale), Delegacia de Crimes contra a Administração Pública (Decap) e do Goti.

Entre as 13 pessoas presas, estão a presidente do Iases, Silvana Galina, e mais três diretores. Segundo a Polícia Civil, o chefe do esquema é o colombiano Gerardo Mondragon, diretor da ONG Acadis, contratada para dar apoio pedagógico ao Iases. Além dele, outros sete dirigentes da ONG foram presos.

O último detido foi o defensor público Severino Ramos da Silva, suspeito de insuflar rebeliões de menores em unidades não administradas pela Acades. Isso ajudaria a ONG a conseguir mais contratos.

De acordo com as investigações, Gerardo Mongragon fundou a ONG Acadis em 2008. Apenas 22 dias depois, ela foi contratada pelo Iases sem licitação para gerenciar a unidade de atendimento a menores de Tucum, em Cariacica.

Na época, o contrato foi de pouco mais de R$ 5 milhões. Esse valor foi sendo reajustado ano a ano e agora, em 2012, a ONG receberia R$ 8,6 milhões. O problema é que o serviço não registrou aumento no mesmo período: a unidade continua atendendo apenas 80 adolescentes.

Segundo as investigações, ainda não há indícios de participação de funcionários da Sejus no esquema de fraude. "Precisamos ter cautela porque o gestor público, muitas vezes por lei, é obrigado a fazer assinaturas e avalizações de atos assinados por diretores de autarquias. As investigações continuarão e verificaremos os desdobramentos dessa questão. O dinheiro que foi desviado por Gerardo Mondragon foi usado na compra de imóveis caros, incompatíveis com a renda dos investigados, grande parte deles integrantes da Acadis", comentou o delegado Rodolfo Laterza.

A Polícia Civil também cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do deputado estadual Josias da Vitória (PDT) e da irmã dele, em Colatina. Documentos também foram recolhidos na empresa Grupo Capixaba de Vigilância e Segurança, que pertence à irmã do deputado.

O resultado positivo da operação policial desta sexta-feira deve ser creditada ao governador Renato Casagrande, ao Ministério Público e ao Judiciário. Jamais na história do Espírito Santo um governante autorizou sua polícia a criar uma força tarefa para investigar gente graúda do staff do governo, como é o caso da presidente do Iases, Silvana Galina, e de outros, que ainda “vão cair”.

Quando criou a Força Tarefa da Polícia Civil, Casagrande já sabia que Silvana Galina e outros servidores seriam o alvo das investigações. O governador, diferente de seus antecessores, deu carta branca para a Polícia Civil agir.

Renato Casagrande foi informado, com antecedência, pela cúpula da Segurança Pública de que a presidente do Iases seria presa. Silvana Galina construiu, no Iases, a fama de uma boa gerente. O governador respondeu aos seus interlocutores com sabedoria: “Ajam de acordo com a lei. Prendem quem tiver culpa”.

Ato contínuo, Silvana Galina já perdeu o cargo de presidente do Iases, mesmo que seja solta a qualquer momento. Logo ela, que foi diretora-presidente do Iases na maior parte dos oitos anos do governo de Paulo Hartung e permaneceu na direção do órgão com Renato Casagrande.

 

Lista de presos divulgadas pela Polícia Civil:


Silvana Galina - Diretora-presidente do Iases
Gerardo Mondragòn - Diretor da Acadis
Edna Lúcia Gomes de Souza
Euller Magno de Souza
Ricardo Rocha Soares
Severino Ramos da Silva
Antônio Haddad Tápias
Marcos Juny Ferreira Lima
Tatiane Melo
Ana Rúbia Mendes de Oliveira
Douglas Fernandes Rosa
André Luiz da Silva Lima
Danielle Merisio Fernandes Alexandre


 

Blog do Elimar Côrtes Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger