Assassinato de Marcelo Denadai: Pagotto contrata advogado do assassino da atriz Daniella Perez para tentar impedir seu julgamento

Primeiro foi o advogado de defesa do empresário Sebastião de Souza Pagotto, Homero Mafra – que, por sinal, é o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/ES) –, a promover uma manobra jurídica para impedir o julgamento do homem acusado de mandar matar o advogado Joaquim Marcelo Denadai, crime ocorrido há mais de 10 anos.

Ele conseguiu. Às vésperas do julgamento de Pagotto, marcado para o dia 20 de agosto, Homero Mafra renunciou à “difícil” função de defender o cliente no Júri Popular.

Homero Mafra renunciou “ao patrocínio dos interesses do denunciado”. Assim, o juiz Carlos Henrique Cruz de Araújo Pinto, da 4ª Vara Criminal de Vila Velha (Privativa do Júri daquela Comarca), ao verificar que até o dia 17 de agosto não havia sido anexada aos autos nenhuma petição constituindo representante processual para o réu Sebastião Pagotto, “o mesmo foi devidamente intimado do despacho de fls. 5006, para constituir novo advogado para sua defesa no prazo de 24 horas”.

Desta forma, o juiz Carlos Henrique Cruz de Araújo Pinto concedeu um novo prazo, agora de 10 dias, para que Sebastião Pagotto constitua um advogado para representá-lo no Plenário do Júri.

Mais adiante, o juiz Carlos Henrique Cruz de Araújo Pinto transferiu para o dia 10 de outubro, às 9 horas, o julgamento de Sebastião Pagotto.

O “novo” advogado de Pagotto apareceu. Ele é o carioca Paulo Ramalho, que se tornou famoso mundialmente por defender o ator Guilherme de Pádua, que foi condenado a 19 anos de reclusão por ter matado a também atriz Daniella Perez.

Paulo Ramalho fez de tudo durante a tramitação do processo. Ficou mais conhecido do que o assassino. Tentou provar ao mundo que Guilherme de Pádua era inocente.

Na tarde desta quarta-feira (26/09), Paulo Ramalho chegou à Sala de Sessões da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça  com argumento para tentar impedir que o homem acusado de mandar matar Marcelo Denadai vá a júri.

Chegou como um furacão. Foi logo pedindo a nulidade da sentença de pronúncia – decisão da Justiça que manda um réu acusado de homicídio a júri popular – alegando suspeição por parte de um dos promotores de Justiça – Luiz Renato da Silveira – que atuaram no caso.

Falou cobras e lagartos do bom, sério, ético e competente promotor de Justiça Luiz Renato da Silveira. Falou mal também até da irmã do advogado de Marcelo Denadai, a hoje deputada estadual Aparecida Denadai.

Mas o voto do  relator do habeas corpus impetrado por Paulo Ramalho, o desembargador Adalto Dias Tristão, foi contrário ao pedido da defesa. Assim, pelo relator, fica mantida a decisão de mandar Pagotto a júri popular, marcado para o dia 10 de outubro, no Fórum Criminal de Vila Velha.

O advogado Paulo Ramalho requereu que os autos do processo fossem anulados a partir da sentença de pronúncia, em que a Justiça decide que um réu deve ser julgado por um júri popular.

Durante o julgamento do pedido de habeas corpus, Adalto Dias Tristão ressaltou que o promotor de Justiça Luiz Renato foi designado para atuar no processo por determinação da Procuradoria Geral de Justiça e que desde o início da ação penal, há mais de 10 anos, nunca houve pedido de suspeição quanto ao seu trabalho.

“Além do mais, o doutor Luiz Renato atuou com a presença de outros promotores de Justiça. Em determinado momento, o doutor Luiz Renato se afastou do caso, alegando motivo de foro íntimo. Ou seja, ele não vai atuar no julgamento do paciente”, disse Adalto Tristão.

O julgamento foi habeas corpus foi suspenso porque o revisor do voto, desembargador Sérgio Gama, pediu vista.

Além de Pagotto, vai ser julgado também o comerciante Leandro Scárdua Majeski, acusado de prática de fraude (estelionato) para favorecer os acusados do crime.

Já o ex-soldado da PM Dalberto Antunes da Cunha e a major da PM Fabrízia Moraes Gomes da Cunha – que eram casados na ocasião do crime – serão julgados posteriormente, pois o processo foi desmembrado. Fabrízia foi acusada de dar fuga ao ex-marido Dalberto, que seria o executor do crime.

Outros envolvidos na morte de Marcelo Denadai já foram assassinados ao longo dos últimos 10 anos. Todos foram vítimas de queima de arquivo.

 

Blog do Elimar Côrtes Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger