Tenente-coronel Aguiar se despede do Comando do Batalhão de Missões Especiais com gesto de sabedoria e humildade

Uma forte emoção marcou a passagem de Comando do Batalhão de Missões Especiais (BME) da Polícia Militar, realizada na manhã da última sexta-feira (25/09), no pátio do Quartel do Comando Geral da PMES, em Maruípe. O novo comandante da Tropa de Elite da polícia capixaba é o tenente-coronel Robertson Wesley Monteiro Pires, que assumiu o cargo em substituição ao tenente-coronel Jocarly Martins de Aguiar Júnior.

Diversas autoridades civis e militares, além de familiares e amigos dos comandantes substitutos e substituídos, participaram da cerimônia, como o chefe da Casa Militar, coronel da reserva remunerada José Nivaldo Campos Vieira.

Até mesmo o antecessor de Jocarly Aguiar no BME, o tenente-coronel Alexandre Ofranti Ramalho, atual secretário de Prevenção, Combate à Violência e Trânsito de Vila Velha – onde vem tendo uma atuação voltada mais para a repressão aos jogos de azar, como máquinas caça-níqueis, que logo serão legalizados pelo governo federal –, participou da passagem de Comando. Foi, aliás, a primeira vez que Ramalho comparece a uma solenidade do BME desde que saiu da unidade, em 28 de julho de 2014.

O discurso de despedida do tenente-coronel Aguiar foi marcado por uma forte emoção. Ele deu um gesto de grandeza, humildade e sabedoria em sua fala e reconheceu o apoio que teve de todos os oficiais e praças da unidade, além da sociedade capixaba.

Ao iniciar a alocução, o tenente-coronel  Aguiar lembrou uma passagem bíblica:

“No dia 27 de julho de 2014, um dia antes de assumir o Comando do BME, fui à missa, como faço aos domingos, e tive a felicidade de ouvir, na primeira leitura, o ‘Sonho de Salomão com Deus’, em que aquele não pediu longos anos de vida, não pediu riqueza material, nem a morte de seus inimigos. Pediu, simplesmente, sabedoria em seu coração para que pudesse conduzir o seu povo e soubesse discernir entre o bem e o mal. Da mesma forma, pedi a Deus que me desse sabedoria para conduzir os desígnios dessa Excelsior Unidade, não importando o tempo que permanecesse a frente dela e que cada dia seria vivido intensamente por este Comandante em prol dos interesses do nosso Batalhão, tão somente.”

Ele agradeceu a todos os integrantes da unidade e fez um balanço de um ano e quase dois meses de comando: “Senhoras e senhores, encerro, hoje, um ciclo no BME, iniciado há 18 anos por ocasião da minha transferência para a, então, Companhia de Polícia de Choque. Foram quase dez anos de serviços prestados a esta Unidade.”

O comandante-geral da PM, coronel Marcos Antônio Souza do Nascimento, parabenizou e agradeceu ao tenente-coronel Aguiar por sua atuação e dedicação à frente do BME:`

“Neste mundo não há ninguém insubstituível, mas há pessoas inesquecíveis e você acaba de escrever seu nome na história do BME”, afirmou o comandante-geral ao tenente-coronel Aguiar, ao mesmo tempo em que desejou felicidades e sucesso ao tenente-coronel Pires na missão de comandar a Tropa de Elite da PM.

A cerimônia foi acompanha pela tropa formada pela Companhia de Polícia de Choque, Companhia de Operações de Choque, Companhia de Operações com Cães e a Companhia de Operações Especiais. Os militares desfilaram em continência ao novo comandante no final da solenidade.

Outro momento de emoção foi quando militares simularam uma operação e passaram com um dos ônibus da unidade no pátio do QCG que trazia uma faixa com os seguintes dizeres: “Seja bem vindo ten-cel Pires”.

A íntegra do discurso de despedida do tenente-coronel Aguiar

“Minhas palavras iniciais são de agradecimento a todos aqueles que, com suas presenças, abrilhantam esta solenidade de transmissão de cargo de comandante do Batalhão de Missões Especiais.

No dia 27 de julho de 2014, um dia antes de assumir o Comando do BME, fui à missa, como faço aos domingos, e tive a felicidade de ouvir, na primeira leitura, o ‘Sonho de Salomão com Deus’, em que aquele não pediu longos anos de vida, não pediu riqueza material, nem a morte de seus inimigos. Pediu, simplesmente, sabedoria em seu coração para que pudesse conduzir o seu povo e soubesse discernir entre o bem e o mal. Da mesma forma, pedi a Deus que me desse sabedoria para conduzir os desígnios dessa Excelsior Unidade, não importando o tempo que permanecesse a frente dela e que cada dia seria vivido intensamente por este Comandante em prol dos interesses do nosso Batalhão, tão somente.

Senhoras e senhores, encerro, hoje, um ciclo no BME, iniciado há 18 anos por ocasião da minha transferência para a, então, Companhia de Polícia de Choque.

Foram quase dez anos de serviços prestados a esta Unidade.

Hoje, munido de mais experiência, percebo que a poucos, muito poucos, é dada a oportunidade de comandar a tropa de elite da Polícia Militar do Espírito Santo. Por isso, sinto-me gratificado e privilegiado por ter o Sr Coronel Edmilson dos Santos, Comandante Geral à época, entendido que eu era merecedor e possuidor das ferramentas necessárias ao exercício da função.

Meus comandados,

Por exatos 01 ano, 01 mês e 29 dias liderei este Batalhão com honra e orgulho.

Neste período busquei fazer o melhor a cada dia em prol dos interesses do Batalhão de Missões Especiais, onde quem apareceu positivamente foi a Unidade, tão somente.

Igualmente, busquei transmitir a cada um de vocês meus conhecimentos, minhas experiências, minhas opiniões e meus princípios, mormente no que concerne a sentimentos e valores.

Foram curtos, mas intensos 14 meses de atividades operacionais e administrativas.

Digo-lhes, com tranquilidade, que foram os 420 dias mais felizes de minha carreira profissional, onde estivemos ombreados, do Cmt ao Sd mais moderno, fosse nos momentos de alegria ou de tristeza.

Debruçamo-nos sobre o mister principal desta Unidade: a especialização, o treinamento, a atuação dentro da legalidade e a valorização do nosso recurso humano.

A todo instante, procurei mostrar que não há qualquer dúvida de que os homens e mulheres que tive a honra de comandar devessem ser prioridades, mas que a missão a ser cumprida sempre esteve sob o farol que nos guiou.

Para a consecução de tais objetivos, retiramos, com a autorização do Comando Geral, o Batalhão do Patrulhamento Tático Motorizado diário. Era naquele momento imprescindível .

A despeito da diminuição do patrulhamento tático motorizado, as apreensões não paravam de aumentar, principalmente com a Companhia de Operações com Cães. Os números abaixo ratificam isso:

Foram apreendidos no primeiro semestre de 2015, 7050 papelotes de cocaína, o que representa um aumento de 165% se comparado com o mesmo período do ano anterior. Da mesma forma, 4506 pedras de crack, significando 36% de aumento. Da mesma substância, foram apreendidos 6,125 kg, representando um aumento de 262%. Foram apreendidas 10295 buchas de maconha, o que significa um aumento de 628%, além de 1366 kg da mesma substância, o que equivale a 317% de aumento. Tivemos um aumento de 11% nas apreensões de armas, passando de 65, no primeiro semestre de 2014, para 72, no mesmo período, em 2015.

Outras ações, em conformidade com o nosso plano de comando 2015/2016, foram implementadas, das quais destaco:

1 - MATRIZ CURRICULAR

Implementada no início de 2015, a Matriz Curricular é o resultado de um planejamento conjunto de instruções que visam proporcionar ao militar do BME uma maior capacitação técnica no exercício de suas funções.

A equipe de planejamento teve o cuidado de não negligenciar os conceitos básicos necessários ao homem de missões especiais, abordando instruções comuns a todo efetivo através do eixo básico de disciplinas. Por outro lado, respeitou as especificidades das Companhias, permitindo a abordagem das técnicas peculiares das Subunidades.

Criamos, portanto, através da Matriz Curricular, 2 eixos de disciplinas: o básico, aplicado na rotina operacional a todo efetivo, e o específico, com instruções afetas a cada Cia.

A metodologia buscou utilizar oficiais e praças cursados na difusão do conhecimento, valorizando a qualificação do público envolvido.

Desde sua implantação, concluímos 312 horas aula no eixo básico, das 432 horas aula previstas nas disciplinas de abordagem a edificações, armamento e equipamento, confecção de bop, defesa pessoal, material bélico, noções de explosivos,  noções de negociação, patrulhamento em área de alto risco, PTM e TFM.

2 - REFORMA DOS BOXES DA CCOMPANHIA DE OPERAÇÕES COM CÃES

Reformamos, com apoio da iniciativa privada, 39 boxes para melhor abrigar nossos cães. Durante a obra, tivemos o cuidado de instalar portões que dificultassem a visão dos animais para a movimentação externa, diminuindo o nível de estresse dos semoventes e reduzindo o impacto de ruídos aos nossos vizinhos.

A nova estrutura possibilitou também o melhor aproveitamento do espaço físico destinado aos cães, possibilitando uma melhoria na recuperação física do animal, especialmente após as operações.

O esforço foi um reconhecimento aos heróis caninos que diariamente auxiliam no policiamento especializado, mormente no tocante à detecção de entorpecentes e armas.

Outra obra que também conta com apoio da iniciativa privada, mais especificamente da Arcelor Mittal, é a reforma do galpão situado anexo aos boxes. Nele serão construídas 03 salas de aula, permitindo mais comodidade aos instrutores e alunos durante as instruções teóricas.

Ainda em relação à Cia Op Cães, desde janeiro disponibilizamos às Unidades Operacionais da RMGV 02 cães de faro de entorpecentes, potencializando, assim, o trabalho de nossos policiais da tropa regular que agora contam com uma ferramenta indispensável no combate às drogas.

Sem esquecer do viés social, um dos leques abarcados por nosso batalhão, iniciamos na última segunda-feira o programa de cinoterapia com crianças especiais, em parceria com a APAE. A intenção é proporcionar àquelas crianças uma interação com o animal e auxiliar no seu desenvolvimento cognitivo, psicomotor e emocional.

Neste momento, contamos com duas crianças participantes, mas abrimos caminho para muito mais.

3 - INTEGRAÇÃO COM O EXÉRCITO BRASILEIRO/ CIGS

Procuramos estabelecer uma parceria com outras instituições, em especial o Exército Brasileiro que foi fundamental para a realização de instruções diferenciadas.

O Ilmo Sr Cel Hiroshi, Comandante do 38º BI, gentilmente nos permitiu a utilização do Centro de Instrução General Sampaio, mais conhecido como CIGS. Uma oportunidade ímpar para que pudéssemos desenvolver atividades extra quartel e explorar toda técnica de nossas atuações, respeitando-se as peculiaridades de cada Cia.

Foram dois dias de intensas instruções que exigiram o empenho de grande parte de nosso efetivo, administrativo e operacional.

Apesar do desgaste, pudemos verificar a satisfação nos rostos de cada um dos participantes que, ao final, sentiam-se mais preparados para o desenvolvimento de suas atividades rotineiras.

4 - MEDALHA MÉRITO DO COMBATENTE DE MISSÕES ESPECIAIS

Instituímos, em janeiro deste ano, a medalha “Mérito do Combatente de Missões Especiais”, em reconhecimento aos militares que contribuem ou contribuíram de forma excepcional para a consolidação das atividades do BME perante as demandas da sociedade capixaba.

5 - TESTE DE ATENÇÃO

Implementaremos, no mês de outubro, com apoio da Arcelor Mittal e do Dr Hebert Cabral, o teste de atenção computadorizado, desenvolvido para testar a capacidade de atenção do policial para o desempenho de suas atividades, orientar possíveis fatores que possam estar interferindo na qualidade de vida, saúde e segurança do nosso policial, fortalecer às boas práticas no cuidado com a saúde, minimizar os riscos de acidentes e erros operacionais, evitando assim que policiais sem condições de atuar naquele momento estejam nas ruas.

Diversas pesquisas já apontaram os riscos de estresse da atividade policial, refletindo diretamente no seu comportamento pessoal, profissional e familiar.

O sistema identifica qual o nível de atenção do policial e fornece uma classificação que possibilita ao comandante analisar as condições de atuação do profissional.

Esta ação de Comando valorizou, sobretudo, nosso recurso mais importante: as pessoas.

Todavia, não estivemos sozinhos nesta caminhada de sucesso e de grandes realizações do Batalhão de Missões Especiais. Muitos concorreram para tal e citá-los é uma forma de mostrar o nosso respeito e a nossa gratidão pelo o que foi feito em prol da Unidade e em meu nome.

Desta forma, o Sr José Rômulo da Silva, do Sincor; Sr José Antônio Vieira, da Fíbria;  Sr João Roberto da Tenda Vieira, da Arcelor Mittal; Sr David Beiriz Loureiro, da CTPS; Srs Hélio e Breno Brun, da Forjas Taurus; Sr Eder Ferreira Rabelo, da HKM; Sr Luiz Cristiano Valim Monteiro, da Condor; Sr Carlos Alípio Spavier, da Acimaq; Sr Marcos Antonio Ferreira Luiz, do Shopping Vitória;
Dr Hebert Cabral; Sr Antonio José Ferreira Abikair, da FDV.

A todos os meus sinceros agradecimentos e o meu muito obrigado pelo atendimento às nossas solicitações e pelo profícuo e estreito contato.

Ao Sr Cel EB, Edson Massayuki Hiroshi, Comandante do 38º BI, obrigado pela convivência sempre harmoniosa e pelo apoio conferido ao meu comando.

Ao Exmo Sr Cel Marcos Antônio, Comandante Geral da PMES, neste momento, basta-me garantir a V.Exª minha total crença na sua liderança e absoluta fé na missão que passarei a perseguir, a partir da próxima segunda-feira. O meu muito obrigado por confiar em meu trabalho;

Aos meus pais, Jocarly e Sara, formadores do meu caráter e entusiastas mais apaixonados da minha carreira, obrigado por tudo! Prometo-lhes honrar a nossa família onde quer que eu esteja na Polícia Militar do ES, independente de qualquer inverdade que se profira a meu respeito;

Às minhas queridas filhas, Ananda e Ana Clara, que compreenderam a minha ausência em alguns momentos;

Aos oficiais e praças deste BME, o meu mais profundo reconhecimento pela dedicação extremada, pelo amor com que conduziram suas obrigações; e obrigado, também, por terem me ensinado.

Agradeço o entusiasmo de nossa tropa, tantas vezes demonstrado em nossas missões e, mais recentemente, durante nossos desfiles. A nova forma de desfilar, aliás, tem atraído olhares de admiração em todas as cerimônias das quais participamos.

Particularmente, ao Maj Anechini, meu Subcomandante, oficial íntegro e leal, de habilidade ímpar, os mais sinceros agradecimentos pela forma abnegada como se lançou a mais esse desafio.

Ao Maj Riani, Chefe da 4ª Seção, meu agradecimento pelos resultados apresentados nas missões que lhe foram confiadas, bem como pela presteza que nos dispensou.

Ao meu substituto, Ten Cel Pires, colega de longa data e de anos servindo neste batalhão, espero que você seja tão feliz quanto eu fui nesses catorze meses a frente dessa magnífica tropa. Espero, também, que, com sua capacidade e inteligência, possa conduzir a patamares mais elevados a já conhecida eficiência do BME. Por isso, você contará com esses valorosos homens e mulheres a partir de agora;

A vocês, meus comandados, quero lhes dizer que foi um grande privilégio ter servido “com” e “para” os senhores.

Tenho consciência de que fiz o melhor e o que deveria ser feito.

Por fim, agradeço a Deus por ter me proporcionado sabedoria e equilíbrio para conduzir os desígnios desta importante Unidade da Polícia Militar do ES.

Encerro esta alocução com o livro do profeta Isaías, capítulo 50, versículo 7, o qual tive o prazer de ouvir na primeira leitura, na missa do dia 13/09/15, domingo, três dias após este oficial saber de sua saída do BME. Diz: “Mas o Sr Deus é meu auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado.”

Pois bem, entrego o Comando do BME com o sentimento do dever bem cumprido.

Muito Obrigado!”


 

Blog do Elimar Côrtes Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger